domingo, 20 de janeiro de 2008

Graviola: uma fruta medicinal


Graviola: uma fruta medicinal
O Brasil vem destacando-se mundialmente como um importante produtor e consumidor de frutas, especialmente as tropicais e subtropicais. Muitas fruteiras são nativas do Brasil e muitas delas ainda são desconhecidas ou pouco conhecidas.
Dentre estas, destacam-se as Anonáceas, que no passado não apresentavam importância, mas que atualmente se transformaram em cultivos rentáveis e geradores de empregos. Dentro da família das Anonáceas, destacam-se a Graviola (Annona muricata), Pinha, Ata ou Fruta-do-Conde (Annona squamosa), Cherimólia (Annona cherimola) e Atemóia (híbrido entre cherimólia e pinha).
Dentre as Anonáceas, o cultivo da gravioleira é bastante recente. Com a evolução do mercado, muitas áreas comerciais têm surgido em diversos Estados brasileiros, destacando-se Bahia, Ceará, Pernambuco, Alagoas e Minas Gerais. O fruto da graviola era destinado na quase totalidade para agroindústria visando obtenção de polpa, suco, néctar, etc.

A graviola é uma fruta originária das Antilhas, prefere climas úmidos, baixa altitude, e não exige muito em relação a terrenos. A graviola é uma árvore de pequeno porte (atinge de 4 a 6 metros de altura) e encontrada em quase todos os países tropicais, com folhas verdes brilhantes e flores amareladas, grandes e isoladas, que nascem no tronco e nos ramos. Os frutos tem forma ovalada, casca verde-pálida, são grandes, chegando a pesar entre 750 gramas a 8 quilos e dando o ano todo. Contém muitas sementes, pretas, envolvidas por uma polpa branca, de sabor agridoce, muito delicado e semelhante à fruta-do-conde.

A tecnologia adotada nas diversas regiões produtoras é muito variável, havendo produtores que não usam quase nenhuma tecnologia moderna, como irrigação, nutrição adequada, poda, proteção dos frutos e controle fitossanitário, com métodos orgânicos, comprometendo a produtividade e qualidade dos frutos produzidos. Apesar disso, diversos produtores têm cultivado a gravioleira de forma racional, adotando a tecnologia disponível e obtendo produtividades elevadas e boa rentabilidade.
Esta fruta é conhecida não somente por seu delicioso sabor característico, levemente azedo, bem como seu riquíssimo conteúdo em nutrientes. Cerca de 100 gramas de graviola fornecem em média 60 calorias, 25 mg de cálcio, 28 mg de fósforo e 26 mg de vitamina C (um terço da Recomendação de Ingestão Diária).
Por se tratar de uma fruta com riquíssima composição nutricional, a graviola apresenta inúmeras propriedades terapêuticas, podendo ser utilizada em sua totalidade. Aproveitam-se as folhas, as flores, os brotos, os frutos verdes ou maduros. A graviola pode ser utilizada sob a forma in natura, sob a forma de chás, preparada como cataplasmas que são sobrepostos diretamente nas afecções cutâneas e também em cápsulas que contêm os princípios nutricionais desta maravilha da natureza.
Porém, uma das maiores descobertas sobre a graviola foi sua sensacional capacidade de agir contra as células do câncer, mostrando em testes em laboratório um potencial extraordinário.

Dentre as propriedades terapêuticas da graviola pode-se destacar o seu potencial diurético, adstringente, vitaminizante, antiinflamatório, anti-reumático, bem como sua propriedade antiespasmódica, antitussígena e anticancerígena. É boa fonte de vitaminas do complexo B, importantes para o metabolismo de proteínas, carboidratos e gorduras, incrementando o cardápio com vitaminas e minerais, bom para a saúde. É ruim para pessoas com caxumba, aftas ou ferimentos na boca, que devem evitar consumi-la in natura, pois sua acidez é irritativa e pode provocar dor.
Fonte: www.planetaorganico.com.br
GRAVIOLA

Fruto de uma árvore proveniente da Amazônia, a Graviola é considerada uma grande aliada no combate a mais de 12 tipos diferentes de câncer; seio, pulmão, próstata entre outros.
Proporciona uma satisfatória melhora durante o tratamento em até dez mil vezes mais, do que com a quimioterapia.
Desde de 1996 o Health Sciences Institute - Instituto de Ciências e saúde dos Estados Unidos - procura e estuda dados para o tratamento do câncer, com o uso deste tipo de fruto. Foram divulgados resultados surpreendentes, em que a Graviola ajudaria realmente no combate ao câncer. Estudos "In vitro" com a Graviola foram realizados em mais de 20 laboratórios, para fim de comprovar sua real eficácia no combate as células cancerígenas.
A partir de extratos extraídos desta poderosa árvore será possível combater o câncer com uma terapia completamente natural, que não cause efeitos secundários severos como náuseas e perda de cabelo, provenientes da quimioterapia.
Proteger o sistema imunológico e evitar possíveis infecções também será possível com o uso da Graviola. Diferente da quimioterapia a Graviola não destrói células saudáveis, possuindo ação seletiva.
Algumas partes da árvore como, a casca, raiz e o fruto são usados a centenas de anos pela população indígena do Sul da América para o tratamento de doenças cardíacas, asma, problemas no fígado e artrite.
A graviola promete proporcionar um tratamento diferenciado no combate ao câncer. Um tratamento natural na maioria das vezes dá a sensação de força e vitalidade, além de melhorar a perspectiva de vida.
Usada em dosagens de 600mg na forma de cápsulas, podendo ser combinada com Vitaminas A, E, C e Selênio esse tratamento pode se tornar uma das poucas alternativas para combater o câncer.
Fonte: www.plantaservas.hpg.ig.com.br
GRAVIOLA
CULTURA DA GRAVIOLA
Tem-se como origem da gravioleira as terras baixas da América Tropical e vales peruanos; conhecida como guanábano (língua espanhola), soursop (lingua inglesa) e corossolier (língua francesa) é fruta tropical importante nos mercados da América Tropical sendo a Venezuela o maior produtor sul-americano. A sua importância comercial no Brasil é pequena apesar da demanda crescente pela polpa do fruto no país, no Oriente Médio e na Europa (Alemanha e Espanha). No Nordeste brasileiro o município cearense de Trairi mantém plantios organizados dessa fruteira.
BOTÂNICA/DESCRIÇÃO/VARIEDADES
A gravioleira é conhecida como Anona muricata, L, Dicotiledonea, Anonaceae. Tem hábito de crescimento ereto, pode alcançar 4 a 8 m. de altura quando adulta, abundante sistema radicular, caule único com ramificação assimétrica. As flores são perfeitas, hermafroditas, verde-escuras a verde-claras. O fruto - graviola - também conhecido como jaca-de-pobre, jaca-do-pará, coração-de-rainha, araticum manso, é uma baga composta (sincarpo) com peso oscilando entre 0,4 Kg. a 10 Kg, comprimento médio em 30 cm. e formato de coração; a casca tem espículas carnosas moles e é verde-clara na colheita. A polpa é branca sucosa. A semente com 1 a 2 cm. de comprimento, peso 0,59 g. (170 sementes/100 g.) é preta na sua retirada do fruto passando a marrom dias após; de ordinário encontra-se 100 sementes por fruto.
A composição de 100 g. de polpa é: 60 calorias, 1 g. de proteina, 24 mg. de cálcio, 28 mg. de fósforo, 0,5 mg. de ferro, 20 mmg. Vit. A, 0,07 mg. Vit. B1, 0,05 mg. Vit. B2, 26 mg. Vit. C.
- No Nordeste brasileiro predomina o tipo de graviola nordestina ou crioula ( com frutos cordiformes, pesando entre 1,5-3,0 Kg., polpa mole, doce a sub-ácida).
A EMBRAPA/CPAC (Cerrado) introduziu no país gravioleiras colombianas (1981); dentre elas sobressae-se a Morada (que produz 40 Kg. de polpa/planta/ano, frutos grandes - 3 a 10 Kg. - redondo a cordiforme, polpa firme, sabor sub-ácido; a planta é tolerante ao ataque de brocas).
USOS DA GRAVIOLEIRA
Planta: Alcaloides, como a anonina e a muricuna, são extraídos da casca do tronco, das folhas e das sementes; são destinados à produção de inseticidas.
Fruto: A polpa é consumida ao natural, com açúcar ou compondo refrescos, sucos e sorvetes apesar de ser de difícil digestão (1,8% de celulose).
Prestando-se bem ao processamento a polpa é utilizada na indústria para produção de sucos concentrados, polpas congeladas, néctar, geléias, cremes, bebidas (Cuba), diuréticos e xaropes anti-escorbuticos.
NECESSIDADES DA PLANTA
Planta originária de regiões de clima tropical a gravioleira também desenvolve-se em regiões de clima sub-tropical e tem boa adaptabilidade ao Nordeste brasileiro.
CLIMA
Requer temperatura média anual entre 25ºC a 28ºC (21-30ºC sem quedas abaixo de 12ºC), chuvas acima de 1.000 mm./ano bem distribuídos (100 mm./mês), com período seco na frutificação, umidade relativa do ar entre 75 e 80%. A região quente do semi-árido nordestino, com irrigação artificial, induz boa vegetação e produção à gravioleira.
SOLOS
A planta adapta-se a diferentes tipos de solo mas prefere aqueles profundos, bem drenados, ricos em matéria orgânica, ligeiramente ácidos - Ph entre 6,0-6,5 - não sujeitos a encharcamento e argilo-arenosos. Os solos de aluvião, bem drenados, prestam-se bem à graviola.
PROPAGAÇÃO/FORMAÇÃO DE MUDAS
A propagação da gravioleira é feita através de processos assexuados - alporquia, estaquia, cultivo de tecidos e enxertia (garfagem - o comercial) - e processo sexual - via sementes.
Para qualquer dos processos a planta matriz - fornecedora de ramos de tecidos, de gemas ou de sementes - deve ser vigorosa, precoce, sadia, e de boa produção. As sementes devem ser obtidas de frutos maduros e sadios e elas devem ser integras e vigorosas.
MUDAS PARA FORMAÇÃO DE POMARES COMERCIAIS
Enxertos - devem ser obtidas de produtores de mudas credenciados por organizações oficiais. Para pomares caseiros pode-se preparar mudas (via sementes) na propriedade rural.
PREPARO DE MUDAS VIA SEMENTES
Vinte quatro horas antes do semeio a semente é colocada em água fria para quebra de dormencia. Sacos de polietileno com 35 cm de altura x 22 cm de largura e 0,2 mm de espessura, recebem 6 a 8 L de mistura formada de 2 partes de terra areno-argilosa e uma de esterco de curral bem curtido. Para cada m3 da mistura adicionar 200 g de calcário dolomítico, 200 g de cloreto de potássio e 250 g de superfosfato simples. A 2 cm de profundidade coloca-se 2 a 3 sementes por saco e irriga-se; entre 20 e 35 dias (até 60 dias) dá-se a germinação.
Os sacos são dispostos em fileiras duplas distantes de 60 cm entre si e cobertos com sombrite ou folha de palmeira (50% de luz). Plantinhas com 5 a 10 cm de altura são desbastadas deixando-se a mais vigorosa. 4 a 5 meses pós semeio, muda com 30 a 40 cm de altura estará apta ao plantio definitivo. Para controle de pragas e doenças pode-se utilizar maeatiom 50 CE e oxicloreto de cobre 50 PM, em pulverizações de 10 em 10 ou de 15 em 15 dias. A partir do 3o mês permitir paulatinamente, a entrada de mais luz no viveiro. Manter solo no saco úmido, sem exagero.
INSTALAÇÃO DO POMAR
Preparo do solo: passa por derrubada, destoca, encoivaramento e queima (se área de mata); controle de cupins e formigas completam 3 meses antes do plantio efetuar aração (30 cm de profundidade) e uma a duas gradagens. Em caso de correção de solo, aplicar calcário antes da aração (metade da dose) e antes da 1o gradagem (outra metade).
Espaçamento/densidade
O espaçamento varia de 4 m X 4 m (625 plantas/há), a 8 m a 8 m(156 plantas/há). A variação deve-se do porte da planta, topografia do terreno, fertilidade, plantio consorciado ou não, definitivo ou temporário, condições climáticas... . Em terreno plano utiliza-se 6 m X 6 m (quadrado) , em área pouco acidentada 6 m X 6 m (triângulo); em solo fértil, rico em matéria orgânica 8 m X 8m e sob clima tropical úmido 6 m X 6 m ou 7 m X 7m .
Coveamento/ adubação básica
Covas devem ter dimensões 60 cm X 60 cm e ser abertas 60 dias antes do plantio separando terra dos primeiros 20 cm. No fundo da cova coloca-se mistura de parte da terra separada com 20 L de esterco de curral curtido e, 200 g de calcário; enche-se a cova com outra metade da terra separada mais 600 g de superfosato triplo, 200 g de cloreto de potássio e 200 g de calcário dolomítico.
Plantio
Deve ser feito em terrenos com altitude abaixo de 1.200 m, próximos a estradas, em áreas planas a levemente onduladas.
No início da estação chuvosa efetua-se o plantio. Retira-se o fundo do saco, leva-se a muda à cova onde retira-se o resto do saco ao tempo em que se chega terra ao torrão comprimindo-a; a superfície do torrão deve ficar 2 cm acima do solo. Prepara-se uma bacia com 10 cm de altura a 30 cm do caule com 20 cm de palha seca. Irriga-se com 20 L de água e, em caso de ventos, tutora-se a muda (estaca enterrada ao lado que amarra a muda).
TRATOS CULTURAIS
- Manter cultura livre de ervas invasoras roçando as ruas de plantio e capinando em coroamento (projeção da copa da planta.
- Poda de formação: cortar broto terminal a 60 cm do solo e selecionar 3-4 brotos bem distribuídos nos últimos 20 cm de altura do caule para formação da copa (não permitir altura acima de 2,2 m).
- Poda de limpeza - Eliminar ramos indesejáveis, ramos secos, doentes ou praguejados.
- Adubação em cobertura: No início das chuvas aplica-se 15 litros de esterco de curral. A cada 3 meses aplicar 1 Kg da fórmula 10-13-15/planta, incorporando a 10 cm de profundidade numa área com limites 1/3 para dentro a 1/3 para fora do limite da copa.
- Crê-se que a necessidade de água/dia da gravioleira está entre 3,5 e 4,0 mm:
CONSORCIAÇÃO
Como cultura secundária pode-se consorciar-se à mangueira; como cultura principal, aceita leguminosas (feijão, amendoim, soja) ou milho, abóbora, batatinha.
PRAGAS
Broca-do-Tonco: Cratosomus Sp. Coleoptera, Curculionidae; O inseto adulto é um besouro convexo de cor quase preta; a forma jovem, lagarta (broca), é branca, com cabeça escura, sem patas. A femêa ovipõe em orifício que faz na casca; a lagarta, saindo do ovo, penetra na madeira abre galeria no tronco e expele dejeções pelo orifício. O sinal do ataque é a presença de excrementos e exsudação pegajosa no tronco.
Controle: injeção via orifício, de inseticida DDVP (10 ml. /10 litros de água).
Broca-do-Fruto
Cerconata anonella (Sepp.1830) Lepidoptera, Stenomidae. - O adulto é mariposa branca-acinzentada com 25 mm. de envergadura que põe ovos sobre flores e pequenos frutos. O jovem (lagarta), cor de rosa ou verde-pardo, roe a casca do fruto penetrando para seu centro, destroe a polpa e aloja-se na semente. Frutos atacados apodrecem e caem.
Controle: queimar frutos atacados (planta e chão), pulverizar frutos com inseticida triclorfom 50 SC (Dipterex a 0,2%) ou fentiom 50 CE (Lebaycia a 0,15%) a cada 10 dias. Ainda usa-se ensacamento do fruto com saco de papel parafinado.
Com outras pragas cita-se vespa-da-semente (Bephrateloides), moscas-das-frutas (Ceratitis, Anastrepha), lagarta-das-flores (Thecla) e tripes-do-fruto (Heliothrips) que podem ser controlados com paratiom, carbaryl, malatiom e fentiom.
DOENÇAS
Em Viveiro: Tombamento de Plantinha - (fungos Rhizoctonia, Fusarium) - Agentes atacam colo e raízes das plantinhas tombando-as. Controla-se, preventivamente, tratando a terra para enchimento dos sacos com brometo de metila.Como tratamento pós germinação, pulverizar colo das plantinhas com benomyl 50 PM (Benlate a 0,1%).
Em Campo: - Antracnose: fungo Colletotrichum gloeosporioides Penz. - Fungo ataca ramos novos, flores e frutos pequenos provocando sua queda (umidade relativa e temperatura altas).
Controle: oxicloreto de cobre 50 PM (200 g. / 100 l. água) ou benomyl 50 PM (150 g. / 100 l. água) em pulverizações intercaladas de 10 em 10 dias.
- Podridão Parda: fungo Rhizophus stolonifer Sac. - Fungo ataca flores e frutos, - na colheita e pós-colheita, penetrando através do penduculo causando podridão da polpa seguindo-se a mumificação do fruto.
COLHEITA / RENDIMENTO
Gravioleiras provenientes de sementes iniciam a floração no 3º ou 4º ano pós-plantio e as enxertadas já no 1º ano de vida. A produção comercial aos 3 e 5 anos; ela permanece por 10 a 15 anos.
Sugere-se que os frutos sejam colhidos logo que a coloração da casca passar do verde escuro para o verde-claro (perda do brilho da casca e polpa levemente mole se comprimindo o fruto com dedo). Após colheita o fruto é colocado em pratileiras em ambiente com 22ºC de temperatura e 40-50% de umidade relativa. Seis dias após o fruto estará comestível durando 2-3 dias.
Têm sido registradas produções de 32 t. de frutos/há. (384 plantas de 6 anos - Havai), 10 t. /há (238 plantas de 8 anos) de gravioleiras.
Fonte:
www.todafruta.com.br

26 comentários:

ROSELY disse...

Como faço para conseguir uma muda de graviola e se possível as folhas também ?

ROSELY disse...

Como faço para conseguir uma muda de graviola e se possível as folhas também ?

meu email:

rosely.card@terra.com.br

Karl Frederick disse...

Olá, há alguns dias em minha chácara ocorreu uma pequena desventura com uma de minhas mudas de graviola (para uso do lar, apenas) e andei pesquisando para ver se é reparável, chegando a este artigo, que me pareceu bem completo.
O caso é o seguinte: meu funcionário, ao utilizar uma roçadeira para fazer a limpeza, acabou por acertar a muda, que já tinha seus quarenta centímetros. Todavia, o caule não se quebrou de todo, e o funcionário em questão amarrou a parte quebrada ao caule, por um arame, de modo que a área do corte está seca, mas a planta continua viva. Isso ocorreu já há alguns dias, só o percebi tardiamente. Notei também que, abaixo do corte, dois novos ramos principiaram-se. Gostaria de saber se é possível realizar alporquia na parte superior cortada, finalizando o corte feito pela imprudência, e deste modo salvando essa parte da planta, ao passo que a parte de baixo, por já ter raízes e novos princípios de caule, está segura.
Grato pela atenção!

Puscas disse...

Ola: chamo-me Orlando Padinha. vivo no Canada, mas gostaria de obter umas quantas sementes, para tentar semear no meu quintal em Portugal, como posso obter as tais sementes? obrigado

Cemira disse...

Orlando
O ideal é plantar mudas da planta sementes nao dao certo.
Procure um site que tenha mudas da planta graviola
emira

Francisco disse...

Francisco
Gostaria de semear graviola ou anoona muricata no meu terreno. aonde é possivel encontrar plantas. obrigado

ruth disse...

Como faço para uma ou mais mudas de graviola? Deixo meu email:
robromria3a@hotmail.com

ruth disse...

como faço para conseguir uma ou mais mudas de graviola?
deixo meu email


robromria3a@hotmail.com

sentinela disse...

como faço para conseguir algumas mudas de graviola?vou deixar meu e-mail... ruebens07@hotmail.com

jesus disse...

olá meu nome é Maria Rodrigues e gostaria de obter algumas sementes de graviola para plantar em minha casa na ilha de porto santo ( Portugal ) como poderei obter meu e-mail é jesus.p.santo@gmail.com grata pela atenção com os melhores cumprimentos M.R

Luis Rodrigues disse...

Moro em Portugal e gostaria de saber como obter algumas mudas de graviola deixo o meu Email luclati@hotmail.com
Obrigado

Malibu Golias disse...

Olá, gostaria de obter algumas sementes de graviola para plantar, aqui em Portugal, alguém me pode informar onde poderei comprar?

Meu mail é: machadosapo83@sapo.pt

Obrigado.

lucia disse...

Olá,

Sou de Portgal e gostava de saber como posso adquir algumas sementes.
O meu e-mail é luferreira@sapo.pt

Anabela Vieira disse...

Gostava de obter a semente da graviola para produzir no meu quintal, sou de Portugal onde posso adquirir essa semente ou planta.

Noreberto Cardoso disse...

SOU DO SUL DE PORTUAL, ONDE POSSO OBTER SEMENTES DE GRAVIOLA, OU MESMOM SUCOS NATURAIS DA MESMA,
PODE ME INFORMAR PARA MEU EMAIL.
norbertoramos8@hotmail.com

sid ribeiro disse...

como faço para conseguir uma muda de graviola?
meu e-mail sid-angel@bol.com.br

sid ribeiro disse...

COMO FAÇO PARA CONSEGUIR UMA MUDA DE GRAVIOLA?

sid ribeiro disse...

COMO FAÇO PARA CONSEGUIR UMA MUDA DEGRAVIOLA
MEU E-MAIL sid-angel@bol.com.br

sid ribeiro disse...

SOU DO BRASIL E GOSTARIA MUITO UMA MUDA DE GRAVIOLA

Ana Fernandes disse...

Boa Tarde, vivo em Portugal e gostaria de adquirir algumas mudas de Graviola. Onde posso encontrar???
Abraço,
Ana Fernandes

Felisbela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felisbela disse...

Olá e bem haja pela divulgação que está a fazer desta planta, que eu desconhecia por completo. Gostaria de adquirir sementes ou plantas da mesma. Onde posso fazê-lo e como?
O meu e-mail é felisbela.ornelas@hotmail.com

Aline Weiand disse...

Oi, gostaria de saber como consigo muda de graviola sou do Rio Grande do Sul deixo meu email aline_danieleweiand@hotmail.com

Carlos Lopes Gonçalves disse...

ola eu gostava de comprar uma arvore de graviola eu morro em fança mas tenho casa em Portugal AVEIRO obrigado .

Yros Fly disse...

Boa tarde! Me interessei bastante em plantar um pé de Graviola no quintal da minha casa no litoral Paulista, porem acabei de ler no seu Blog que comercialmente ela só produz por cerca de 10 ou 15 anos. Depois desse período deve derrubar a arvore e plantar outra? Ou tem alguma forma dela continuar produzindo? Eu queria plantar só um pé mesmo para ter em casa, nada comercial. Com a Fruta do conde é a mesma coisa? Obrigado.

Segue meu email para resposta:

sergioab2003@yahoo.com.br

obrigado

Joaquim Mendes disse...

Olá boa tarde
Sou de portugal e queria saber onde posso comprar a planta graviola ou as sementes.
Obrigado pelo Blog

Joaquim Mendes
joaquim.v.mendes@hotmail.com